Possíveis apoios aos empresários jorgenses em cima da mesa na reunião deste sábado

O Presidente da Câmara Municipal das Velas, em São Jorge, integra a reunião deste sábado com o Presidente do Governo Regional dos Açores e os representantes dos empresários jorgenses sobre a situação económica do concelho das Velas resultante da crise sismovulcânica que assola a ilha há 20 dias.

Luís Silveira, em declarações aos jornalistas, adiantou que nesta reunião serão conhecidos os eventuais pacotes e medidas para apoiar o setor empresarial que já se vem ressentindo com toda esta situação vivida no concelho das Velas, revela a rádio local.

Segundo a publicação, o autarca defende que é preciso “um apoio claro e objetivo com base na realidade” que se vive atualmente, sendo que os apoios têm que ser direcionados com base naquilo que são os prejuízos concretos do setor empresarial.

O autarca velense diz que esta é uma situação complicada, transversal a toda a sociedade e setor empresarial do concelho, muito em parte pela perda de 20% da população do concelho, segundo afirmou.

O setor do Turismo, segundo Luís Silveira, será aquele “com maiores danos”, atendendo ao facto de que este é um setor muito amplo, no sentido em que não envolve apenas hotelaria ou restauração, afirmando que este é um setor transversal a todos os outros.

O autarca velense considerou ainda preocupante ver países como a França ou o Canadá a desaconselhar as viagens para São Jorge, devido à crise sismovulcânica.

A situação que se vive atualmente no concelho das Velas, a nível económico e social, é já, segundo Luís Silveira, “uma situação crítica”.

O presidente do Município das Velas frisou ainda que o pacote de medidas que sair da reunião deste sábado com o Presidente do Governo Regional terá que ser “diferenciador”, no sentido em que terá de atender ao facto de que esta situação se pode protelar no tempo por meses.

Luís Silveira não descura a possibilidade de apoios que podem advir ainda da República ou mesmo da Europa, tendo em conta a imprevisibilidade desta crise socioeconómica que afeta principalmente o concelho das Velas, na ilha de São Jorge.

AA/RL