Animar PDL envolve restaurantes, bares e hotéis e mais de 220 artistas

A Presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada apresentou o Animar PDL. Trata-se de uma medida inserida no Plano de Emergência Empresarial destinada ao setor da animação e da cultura, um setor fundamental da economia regional e local, tanto em matéria de criação e distribuição de riqueza como de criação de emprego, e um dos mais vulneráveis à situação económica criada pela pandemia da Covid-19.

Como sustentou a edil, trata-se de uma medida que “visa, por um lado, contribuir para a mitigação das consequências económicas e sociais resultantes da pandemia e, por outro, restaurar a confiança nos nossos munícipes e agentes empresariais, sociais e culturais”.

Tem várias dimensões, nomeadamente a criação de uma bolsa de artistas e atores culturais para realizarem concertos/atuações nos restaurantes, bares e hotéis de Ponta Delgada, sendo suportados financeiramente pela Câmara Municipal de Ponta Delgada; atividades de animação itinerante no Centro Histórico propostas e organizadas pelas Associação 9 circos e Associação Tradições; atividades animação/programação Cultural propostas e desenvolvidas pela Associação CRACA e Associação Plutão Camaleão; atividades de animação cultural para o Centro Histórico propostas e desenvolvidas por quatro principais empresas de eventos e espetáculos do concelho.

Orçado em 200 mil euros, o Animar PDL irá envolver 229 artistas contabilizando 65 atuações – que começaram ontem,  06 de agosto, e terminam no dia 01 de outubro (Dia Mundial da Música). Vão ter lugar de quarta a sábado.

As iniciativas vão decorrer no Largo Vasco Bensaude, Rua Açoriano Oriental, Rua dos Mercadores, Jardim Antero de Quental, Lado Norte da Igreja da Matriz, Estufa de ananases Boa Fruta, Alto da Mãe de Deus, Largo da Igreja do Colégio do Jesuítas, Avenida Infante D. Henrique e Portas da Cidade.

A Presidente do Município reiterou que “todas as atividades culturais na medida “Animar PDL” irão ser realizadas no escrupuloso cumprimento das medidas e orientações da Direcção Regional da Saúde, nomeadamente a circular nº 54/2020, respeitando a uma lotação máxima de 20 pessoas por concerto, o distanciamento físico entre os espetadores de 1,5 metros, a higienização das mãos à entrada e saída, entre outras medidas”.

Maria José Lemos Duarte afirmou ainda que “iremos avaliar permanentemente a possibilidade de continuidade ou não dessas atividades com base na evolução da situação epidemiológica na Região e da nossa capacidade individual e coletiva de realizar as atividades culturais com segurança”.

AA/CMPD