Apreensão de máquinas de jogo ilegal na ilha Terceira

O Comando Territorial dos Açores, através do Posto Territorial de Praia da Vitória, no dia 2 de fevereiro, apreendeu sete máquinas jogo ilegal e identificou cinco proprietários, com idades compreendidas entre os 30 e os 55 anos, no concelho de Praia da Vitória, na Ilha Terceira.

Na sequência de várias denúncias a dar conta de exploração de jogo ilícito, os militares da Guarda fiscalizaram diversos estabelecimentos de restauração e bebidas, tendo sido detetadas máquinas de jogo ilegal em funcionamento em cinco estabelecimentos. No seguimento das diligências policiais foram elaborados 06 autos de contraordenação por diversas infrações fiscais, três autos de contraordenação por exploração de jogo ilegal e três autos de notícia por crime de exploração de jogo ilegal.

No decorrer da ação foram ainda apreendidas sete máquinas de jogo ilegal; 160,20 euros em numerário; e diversos artigos utilizados como prémio.

Foram identificados os cinco proprietários dos estabelecimentos comerciais, com idades compreendidas entre os 30 e os 55 anos, por infrações fiscais e por exploração de jogo ilegal, tendo os factos sido remetidos à Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) e ao Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Praia da Vitória.

A GNR relembra que a dependência no jogo é reconhecida como uma patologia, sendo necessário estar alerta aos sinais que revelem a adição do jogador, pois é comum que aqueles que sofrem desta perturbação ponham em risco o seu trabalho e contraiam dívidas, acabando por inviabilizar a sua interação com a sociedade e adotem um comportamento autodestrutivo. É por este motivo, fundamental, uma fiscalização contínua e presente neste âmbito, de forma a sinalizar as pessoas com esta dependência, e reprimir quem utiliza e explora, de forma descontrolada e dissimulada, este tipo de equipamentos ou promove jogos de fortuna ou azar.

AA/GNR-CTA