Aprovado concurso público para a construção da empreitada de recuperação do Auditório Ferreira da Silva

Foi votado por unanimidade, em reunião de Câmara extraordinária, a abertura do concurso público para a construção da empreitada de recuperação do Auditório Ferreira da Silva, na Vila de Água de Pau.

A proposta apresentada visa dotar esta Vila de um espaço dinâmico e multifuncional, reabilitando e adaptando, desta forma, o antigo Auditório Ferreira da Silva de forma a possibilitar a realização de um conjunto diversificado de atividades culturais.

O interior do imóvel irá realçar a beleza de outrora, mas com uma nova reorganização dos compartimentos existentes. Este imóvel construído na década de 60, tem 204.10 m2, e permitirá um total de mais de 400 lugares sentados sendo que passará a ser a maior casa de espetáculos culturais do concelho de Lagoa. Deste modo, o edifício manterá a cércea e volumetria original, aplicando-se novos acabamentos, recuperando e conservando a linguagem do edificado existente.

No piso superior haverá o aproveitamento do foyer existente, permitindo desta forma criar uma zona nobre possibilitando a realização de reuniões e outros eventos de menor dimensão.

Na envolvente ao equipamento é proposto um reaproveitamento do espaço, através da criação de estacionamento público e de um edifício de apoio. Também se prevê a instalação de mobiliário urbano, iluminação e pavimento de calçada miúda de cor branca e preta, tudo a desenvolver numa fase final.

Refira-se que, a intervenção vinha a decorrer faseadamente e de acordo com o orçamento municipal aprovado anualmente, contudo, na sessão da Assembleia de Freguesia de Água de Pau, realizada no dia 17 de julho de 2018, em que a Presidente da Câmara Municipal de Lagoa esteve presente para apresentar o projeto quer aos membros eleitos pelo PS e PSD, quer aos representantes das instituições locais, houve consenso generalizado no sentido que a obra fosse realizada sem a pressão de a concluir no presente mandato, conforme ata daquela reunião.

Desde aquela data que a autarquia deu início a todos os procedimentos necessários, nomeadamente: a contratação de um empréstimo; a obtenção do visto do tribunal de contas; a reformação do projeto de arquitetura mediante as sugestões apresentadas por um gabinete especializado em espaços culturais; a adjudicação dos projetos de especialidades, a saber, estabilidade, equipamentos hidráulicos, acústica, térmica, segurança e saúde, e plano de resíduos de construção e de demolição.

Todo este processo foi acompanhado da tramitação obrigatória em sede de reunião de Câmara e Assembleia Municipal que foram tendo conhecimento da evolução do processo. Nestes últimos meses, decorreu a revisão do projeto, ao abrigo da lei vigente.

O montante base do procedimento é de 390 mil euros, e um prazo de execução de seis meses.

De referir que, o atual quadro comunitário de apoio não contempla este tipo de investimento, razão pela qual o município assumiu esse compromisso com recursos próprios.

AA/CML