Aumento dos casos de Covid nos Açores impede realização de iniciativas juvenis de rua no inicio do ano pastoral

As manifestações de rua dos jovens açorianos, previstas para o arranque do ano pastoral,  que procuravam sinalizar o caminho da juventude açoriana rumo à Jornada Mundial da Juventude de Lisboa, em 2023, vão ser vividas através das redes sociais e digitais.

O aumento do número de casos da Covid 19 no arquipélago levou, uma vez mais, e de forma responsável, a Igreja a cancelar qualquer ajuntamento. Em São Miguel as iniciativas passarão por testemunhos de jovens nas principais celebrações da ilha e também num encontro através da plataforma zoom, no qual estarão presentes jovens que estiveram em Roma no passado domingo bem como elementos do comité local e de comités diocesanos de outras dioceses.

“Infelizmente as coisas terão de ser de forma diferente” daquilo que foi planeado confessou o diretor do Serviço Diocesano das Pastoral Juvenil, padre Norberto Brum, ao Igreja Açores.

Também em Angra a iniciativa prevista para o adro da Sé, onde se encontra uma estátua de São João Paulo II, que recorda a passagem do único Papa que visitou os Açores, até hoje, foi cancelada. A ilha Terceira, onde se situa o maior número de grupos de jovens na diocese insular, vai assinalar a data com um vídeo onde vários jovens testemunham a sua fé.

No domingo, a pastoral juvenil estará presente na Sé de Angra, numa celebração que será presidida por D. João Lavrador. Na ocasião, será benzida a cruz que, desde o verão, já percorre a Ilha Terceira. No final da celebração, a cruz segue com o grupo do Posto Santo, que a acolherá no período do Advento e Natal. Aí será celebrada a tradicional missa de Natal, com partilha de cabazes para os pobres, no dia 13 de Dezembro, às 18H00.

Os responsáveis diocesanos desafiaram as autoridades locais a disponibilizar espaços onde pudessem surgir murais onde os jovens pintassem e desenhassem elementos alusivos a estas jornadas e que depois servissem de ponto de encontro e animação permanente nas iniciativas das comunidades.

“A ideia é que este mural possa ir sendo pintado ao longo da caminhada até 2023”, referiu a Pastoral Juvenil, acrescentando que, na primeira pintura e uma vez que estamos a viver o ano da Laudato Si, pudesse ser colocada uma frase relacionada com esta encíclica papal.

Em todas as ouvidorias deverá ser ainda realizado, no dia 23 de cada mês, um momento regular de oração por intenção da JMJ de Lisboa.

Como a JMJ está intrinsecamente ligada ao Papa São João Paulo II, o único que até hoje visitou os Açores, os responsáveis pela juventude esperavam que este locais festivos começassem por ser locais por onde tenha passado o Santo Padre em 1991.

AA/IA