Azores Fringe constrói pontes interilhas

A importância de criar uma comunidade ativa para o desenvolvimento sociocultural faz parte dos objectivos do festival internacional de artes, Azores Fringe. Artistas das mais variadas áreas participam nos programas de pesquisa, criação e mostra.

Nas artes performativas, MiratecArts fez parceria com o Estúdio 13, no passado ano, para trazer uma nova criação micaelense ao Pico. Este ano, com a companhia terceirense, Cães do Mar, um projeto de dança que “vai beber ao teatro inspiração e metodologias”, inBOX 0.2, subiu ao palco do Auditório do Museu dos Baleeiros, na ilha montanha.

“Temos poucas entidades nos Açores a criar novas obras, e novas linguagens, no mundo da performance,” admite Terry Costa, diretor artístico da MiratecArts e fundador do Azores Fringe Festival. “Por isso, mais uma razão para trabalharmos em conjunto e apresentar o trabalho uns dos outros. Só assim conseguimos dar às obras o seu devido respeito de chegar a novas audiências.”

“Num mundo cada vez mais pequeno, devido às tecnologias, é importante estreitar os laços entre as comunidades criativas e as populações,” admite a produtora de Cães do Mar, Ana Brum. “A necessidade de chegar a todas as ilhas é cada vez mais premente estabelecendo um diálogo interilhas.” 

Numa conversa pública, no Museu do Pico, os agentes culturais relembraram que a constituição portuguesa consagra não só o direito à fruição, mas também à criação cultural. Sendo assim, propõem um maior empenho da região e das autarquias na construção de projetos de circulação, acolhimento e criação artística interilhas fomentando residências com artistas de outras ilhas. Ana Brum adiciona que “é necessário desenvolver estratégias de criação de públicos capazes de potenciar não só o crescimento social e económico da região, como incluir públicos visitantes.” 

Entre conversas, conferências, exposições, mostra de curtas de filmes e vídeo, criação de instalações, arte na rua, eventos literários e apresentação de artes performativas, a décima edição do Azores Fringe Festival continua, até 30 de junho, com seu epicentro na ilha do Pico.

AA/MA