Cachalote, um mamífero marinho emblemático dos Açores

Nas águas dos Açores, os cachalotes podem ser avistados durante todo o ano, tornando o Physeter macrocephalus uma espécie emblemática e que tem influenciado fortemente a cultura açoriana. As fêmeas desta espécie têm dimensões geralmente menores que os machos adultos, medindo entre dez e doze metros de comprimento e pesando de treze a vinte toneladas, enquanto que os machos podem chegar, no Atlântico Norte, aos 16 metros de comprimento (18 metros para a população mundial, sendo vinte metros o máximo reportado até hoje para a espécie, no entanto não existem registos de animais com esse tamanho nos Açores).

No hemisfério norte, a reprodução dos cachalotes dá-se maioritariamente nos meses de verão, com os nascimentos a ocorrerem entre o verão e o outono. Alimentam-se a grandes profundidades e, nas latitudes médias como as dos Açores, a sua dieta é constituída essencialmente por lulas e polvos. Se bem que os machos possam ser menos exigentes na sua dieta.

A organização social dos cachalotes é complexa e todos os machos adultos podem ser reprodutores. A estratégia de acasalamento pode variar, consoante a maturidade social dos animais e o seu tamanho. Nos Açores, podemos observar todos os segmentos da população, incluindo grupos matriarcais de fêmeas e crias, grupos de machos e grandes machos solitários.

AA/DRAM