Câmara apresenta revista 9 Bairros, Estratégia Cultural Ponta Delgada 2030 e projeto de candidatura Azores 2027

A Câmara Municipal de Ponta Delgada apresentou, no Coliseu Micaelense, a publicação 9 Bairros, em papel, a Estratégia Cultural de Ponta Delgada 2030 e o projeto de candidatura de Ponta Delgada | Açores a Capital Europeia da Cultura – Azores 2027.

Na ocasião, o Presidente da autarquia destacou a aposta da autarquia numa Política Cultural Municipal, cujo financiamento médio anual ultrapassa os 2,4 milhões de euros e aposta na descentralização, diversificação da oferta, criação de novos públicos e sensibilização para a educação através da arte.

Esta política cultural assenta, ainda, na valorização das infraestruturas de suporte e do património, no apoio à criação, na exibição e divulgação, e no fortalecimento de redes e parcerias com os agentes socioculturais locais.

Adiantou que o reforço do investimento municipal na Cultura reflete-se na sua totalidade na Estratégia Cultural de Ponta Delgada 2030, apresentada no emblemático edifício do Coliseu Micaelense.

Reafirmando o desejo do Município em passar à segunda fase da Azores 2027 (a apresentação será a 10 de março), o edil disse que este projeto é “um determinante impulso ao novo paradigma cultural que se pretende para Ponta Delgada numa década”.

A cultura, referiu, “é um verdadeiro ponto de união entre os diferentes agentes de desenvolvimento, potencia o progresso social, cultural e empresarial, e afirma a identidade”, sendo que a Azores 2027 “reforça a nossa ambição de reafirmar a nossa cidadania europeia e o compromisso com a celebração e o aprofundamento do projeto europeu a partir dos Açores, tendo como meta um verdadeiro Arquipélago Europeu da Cultura”.

Estratégia Cultural de Ponta Delgada 2030

Para Pedro Nascimento Cabral, a Azores 2027, que faz parte da Estratégia Cultural de Ponta Delgada 2030, “já é um indicador da mudança de paradigma cultural que tanto almejamos, porque é a única, entre as candidaturas portuguesas, que conta com o apoio de um Movimento Cívico com mais de 800 subscritores nas nove ilhas, cidadãos de várias áreas, sensibilidades e faixas etárias da comunidade, que são verdadeiros guardiões deste projeto”.

Deixando uma palavra de reconhecimento ao Movimento Cívico, o Presidente disse que este é “mais um garante da concretização da visão da Estratégia Cultural de Ponta Delgada 2030 naquele que é o seu propósito de implementação de práticas enraizadas de colaboração entre entidades e agentes culturais de Ponta Delgada, de São Miguel e dos Açores”.

Para o edil, a Estratégia Cultural de Ponta Delgada de 2030, aprovada pela Assembleia Municipal em dezembro de 2021, “não se encerra na candidatura ou na sua desejada concretização. É uma estratégia realista, porque está alinhada com as principais agendas estratégicas europeias e internacionais em que o ano de 2030 constitui um grande marco global relativamente às prioridades temáticas para a Cultura e outros contextos sectoriais associados. Aposta na possibilidade de trabalhar em articulação com todo o Arquipélago, com a Europa e o Mundo tendo a cultura como catalisador da transformação social, cultural e económica, alinhada com as principais agendas estratégicas europeias e internacionais”.

Adiantou que a estratégia é também humanista, porque “integra a educação como facilitadora da leitura do legado patrimonial e as possibilidades de expressão criativa como ferramentas de construção da cidadania. Integra, ainda, a parceria com a Universidade dos Açores no potencial científico para o conhecimento sistematizado e atualizado das práticas culturais e dos impactos no bem-estar das comunidades”.

No fundo, pretende-se “criar o sentido do lugar, o conhecimento e o reconhecimento do lugar físico e imaterial a que pertencemos, o arquipélago global que somos, além de os modos e os instrumentos que podem beneficiar os mais relevantes desafios económicos, sociais e ambientais da atualidade, além do legado de uma sociedade mais justa e inclusiva para as gerações futuras”.

Como parte integrante da Estratégia Cultural de Ponta Delgada 2030, Pedro Nascimento Cabral destacou o papel inclusivo e colaborativo dos programas a ela associados que reforçam o significado colaborativo e inclusivo da candidatura Azores 2027, como é o caso do 9 Bairros, a publicação digital participativa, agora transformada em papel, também com o objetivo de “criar pontes de união entre as ilhas açorianas e entre todos os que nelas vivem e se inspiram”.

Projeto abrangente

No início da apresentação, o Vereador da Cultura e Coordenador Executivo da candidatura Azores 2027, Sérgio Rezendes, afirmou que que este projeto abrange o conhecimento da identidade dos pontadelgadenses, o resgate da memória, as sete artes e a divulgação intergeracional e intercultural.

“Queremos envolver todos os que cá vivem, a  nossa Diáspora, aqueles que escolheram a nossa terra para viver e quem nos visita, promovendo animação nas nossas 24 freguesias, com uma atenção especial ao centro histórico de Ponta Delgada, e o regresso aos eventos que marcam a nossa identidade, como as Festas do Senhor Santo Cristo, as Festas do Divino Espírito Santo e todos os eventos que esta autarquia sempre promoveu antes da pandemia” – acentuou.

António Pedro Lopes, Diretor Artístico da candidatura Azores 2027, cujo trabalho foi reconhecido por Pedro Nascimento Cabral, além de apresentar todos os eixos deste projeto municipal, destacou a importância deste setor a vários níveis do desenvolvimento.

A Estratégia Cultural de Ponta Delgada 2030, foi apresentada pela consultora e especialista cultural da OPIUM, Lda , Ana Pedrosa, parceira da autarquia neste projeto.

AA/CMPD