Carlos Furtado entende que é preciso criar condições para fixação de professores na Região

Na discussão de uma petição relativa à carreira dos professores, Carlos Furtado, presidente do Chega Açores felicitou os peticionários pela iniciativa, compreendendo a preocupação dos profissionais do ensino, uma vez que as carreiras de professores nos Açores, estão condicionadas pela falta de sensibilidade dos anteriores governos, relativamente à criação de condições para a fixação de docentes na Região, situação esta, que tem motivado a falta de candidaturas aos lugares vagos em algumas escolas dos Açores

Para Carlos Furtado é da maior urgência que seja posta em prática uma nova regulamentação, que se espera ser mais vantajosa e justa para a carreira profissional dos professores, uma vez que o maior problema na educação nos Açores, prende-se com a insuficiência de professores, situação esta que não se espera ver resolvida, enquanto não existir condições para a fixação destes profissionais.

O Chega Açores entende ainda, que a estabilidade profissional dos professores é determinante para o sucesso do ensino na Região, que infelizmente tem vindo ano após ano, a ocupar lugares no final da tabela dos rankings das escolas do país.

AA/CH