Celebrações em memória dos 500 anos da subversão de Vila Franca do Campo tiveram início na Igreja Matriz de São Miguel Arcanjo

As celebrações em memória do quinto centenário da subversão de Vila Franca do Campo (ocorrida a 22 de outubro de 1522), tiveram início esta sexta-feira, na Igreja Matriz de São Miguel Arcanjo, com a realização de uma Eucaristia, em memória das vítimas da catástrofe.

Os cânticos da cerimónia foram interpretados pelo Coro Litúrgico do Coral de São José e houve lugar à leitura de extratos do relato da Subversão de Vila Franca do Campo, do livro “Saudades da Terra” do cronista Gaspar Frutuoso, bem como à participação dos Romeiros de São Miguel.

Esta celebração memorial única conjuga uma trilogia: a memória do terramoto de 1522, a devoção à Senhora da Paz e o início das romarias na ilha de São Miguel, tendo sido uma iniciativa conjunta da Câmara Municipal de Vila Franca do Campo e da Ouvidoria de Vila Franca do Campo, que marcou o início de muitas celebrações, atividades, exposições, momentos musicais, palestras, entre outros eventos, que se irão desenvolver ao longo dos próximos doze meses.

Na ocasião, usou da palavra o Presidente da Câmara Municipal de Vila Franca do Campo, Dr. Ricardo Rodrigues, para referir que “hoje [ontem] não se comemora uma felicidade, mas se lembra uma tristeza profunda, por aquilo que aconteceu em Vila Franca do Campo há 499 anos. Contudo, todos sabemos quem não reconhece e não conhece a sua história perde para o futuro e até mesmo para o presente”, e, por isso, a Ouvidoria de Vila Franca do Campo e a Autarquia desencadearão uma série de eventos alusivos ao 500º aniversário da Subversão de Vila Franca do Campo.

Ricardo Rodrigues acrescentou que a história “faz-se de derrotas e de conquistas, sendo as vitórias alcançadas quando as instituições, os romeiros, os vila-franquenses em geral, se juntam numa manifestação de vontade, para progredir e desenvolver Vila Franca do Campo, com o povo como beneficiário deste esforço coletivo”.

Note-se que, foi na madrugada do dia 22 de outubro de 1522 (há 499 anos atrás) que Vila Franca do Campo foi praticamente destruída por um violento terramoto, acontecimento que mudou a história da própria ilha e está diretamente relacionado com a origem das Romarias de São Miguel.

AA/CVFC