Concertos Quadrivium apresentados online

Em dezembro e no primeiro dia de janeiro, os concertos da Quadrivium – Associação Artística são apresentados à distância de um click.

Integrando a programação de Natal da Câmara Municipal de Ponta Delgada, em agenda constam a Sinfonietta de Ponta Delgada, nos dias 13 e 27 de dezembro, a Orquestra de Câmara de Ponta Delgada, no dia 20 de dezembro, e a estreia do quinteto de metais Atlantic Brass Five, no dia 1 de janeiro.

No dia 13 de dezembro, conta-se com o regresso do maestro Marco Ferreira à Sinfonietta de Ponta Delgada e com a estreia da cravista italiana Cristiana Spadaro, intérprete ímpar no panorama musical açoriano. O programa deste dia é exclusivamente dedicado a compositores portugueses do século XVIII: Carlos Seixas e João Domingos Bomtempo. Carlos Seixas foi um dos mais aclamados cravistas e compositores do século XVIII. No seu espólio, que hoje nos chega, encontramos o seu Concerto para Cravo e Orquestra em Lá maior. Composto em Estilo Galante, revela uma sonoridade leve e bem-disposta, característica típica da música escrita naquela época para as cortes. Além disso, é uma obra que faz sobressair o lado mais virtuosístico do cravo, representando um verdadeiro desafio para o intérprete.

Ainda neste dia, a Sinfonietta de Ponta Delgada estreia-se a tocar Bomtempo com uma das suas obras primas. Falando da sua Sinfonia nº1, que foi largamente aplaudida no Journal Général de la France e no Courrier de l’Europe, está escrita na luminosa tonalidade de Mi bemol maior e trata-se de um marco na história da música portuguesa por ser a primeira obra deste género escrita por um compositor português. Estilisticamente, Bomtempo começa por expressar na sua música a dedicação ao Classicismo, mas sente-se que persegue mais os ideais do Romantismo musical. Arrisca sobretudo na forma, incorporando melodismos próximos da vocalidade, e busca uma originalidade que por vezes se ofusca na quantidade dos temas que introduz.

Sob a direção musical do violinista Grigori Spektor, no dia 20 de dezembro a Orquestra de Câmara de Ponta Delgada traz-nos uma seleção musical deveras eclética, que transporta o ouvinte numa viagem musical por alguns dos diversos cenários natalícios do mundo, com músicas de Béla Bartok, Marshall Fine e Leroy Anderson. Béla Bartók nasceu na Hungria no final do século XIX e é considerado um dos mais importantes e influentes compositores do século XX. Para além das inovações que trouxe a nível formal e harmónico na composição, foi também um dos pioneiros na recolha e adaptação da música folclórica para a tradição clássica. Em 1915, Bartók escreve um conjunto de peças para piano chamado Canções de Natal Romenas (SZ. 57), recolhidas de grupos de cantares infantis que nesta altura do ano vão de casa em casa a cantar. A Orquestra de Câmara de Ponta Delgada interpreta estas peças numa versão adaptada para cordas por L. Jordan-Anders, contudo, tanto a riqueza harmónica como a complexidade rítmica, que tanto caraterizam a tradição musical daquela parte do mundo, encontram-se presentes em todas as suas valências. Por outro lado, nas peças de Marshal Fine e Leroy Anderson poderemos encontrar um estilo de músicas de Natal que nos é mais próximo, como é o caso de “Carol of the Bells”, baseado num tema popular ucraniano.

A Sinfonietta de Ponta Delgada regressa no dia 27 de dezembro, desta vez com um programa dedicado a Wolfgang Amadeus Mozart, também sob a direção musical do maestro Marco Ferreira. Celebrizada pela utilização do seu primeiro andamento no filme Amadeus, de Milos Forman, a Sinfonia n.º 25 foi composta em 1773, quando Mozart tinha apenas 17 anos. Foi escrita em sol menor sendo esta uma tonalidade comummente utilizada em obras ou momentos mais dramáticos. É uma peça notável, não só pelo seu caráter intenso e sério, como também pela unidade temática e pelas proporções formais mais amplas, em comparação com as anteriores sinfonias do compositor. Contudo, continuamos a sentir a presença dos seus inconfundíveis temas, que prontamente transportam o ouvinte para um cenário indubitavelmente operático. Alguns dos aspetos mais notórios desta obra residem, por um lado, na utilização do timbre instrumental como elemento inovador em relação às convenções da época, e, por outro, no uso do ritmo como força motriz e geradora do ímpeto da obra.

Ano novo, música nova: no dia 1 de janeiro estreia-se sob a alçada da Quadrivium o Atlantic Brass Five. Este quinteto de metais traz à casa de todos os que acompanham a emissão alguns dos mais conhecidos temas clássicos que remontam a esta quadra festiva. Aliás, não é incomum associarmos os instrumentos de metal ao Natal ou ao Réveillon, talvez pela sua solenidade sonora ou pelo tipo de repertório que executam. São eles o caso do famoso Canon em Ré, de Johann Pachelbel, a Música para os Fogos de Artifício Reais, de Georg Friedrich Haendel, entre outros títulos que prometem uma programação diversificada e eclética.

A transmissão destes concertos pode ser vista nas redes sociais e website da Câmara Municipal de Ponta Delgada nos dias 13, 20 e 27 de dezembro e 1 de janeiro, sempre às 17:00.

Estes eventos são uma iniciativa da Câmara Municipal de Ponta Delgada que conta com a produção da Quadrivium – Associação Artística e com o apoio institucional da República Portuguesa – Cultura/Direção-Geral das Artes e da Direção Regional da Cultura dos Açores.

AA/Quadrivium