Conheça a história de Angra do Heroísmo

Há 144 anos morreu José Maria Pacheco de Aguiar com 73 anos.

Havendo professado no convento da Graça de Angra, foi, em 1826, para o colégio dos Eremitas Calçados de Santo Agostinho, em Coimbra, e pouco depois para o dos Populo, da mesma ordem, em Braga, onde terminou o curso de preparatórios e teologia e onde foi professor até 1847 em que foi nomeado Prior de Santa Eulália de Águeda.

Em 1854 assumiu a regência duma cadeira de ciências, em Coimbra, para que fora convidado e em 1862 foi transferido para o Seminário de Angra. Aqui foi cónego da Sé, e veio a falecer em 31 de Julho de 1876, tendo escrito e publicado algumas obras, entre as quais: «Períodos da história portuguesa, antigos e modernos»; «História antiga», Porto, 1841; «História moderna», Porto, 1842; «Elementos de metafísica», 1ª e 2ª edição, sendo esta publicada no Porto em 1849; «Cartilha de doutrina cristã», além de muitos sermões e vários apontamentos inéditos sobre assuntos científicos e nomeadamente «Pequena biblioteca açórica» ou «Catálogo dos escritores dos Açores, divididos pelos três distritos, oriental, central e ocidental», que o «Almanaque Insulano» publicou em parte.

Foi vítima da inveja dos escritores da época.

In Gervásio Lima, Breviário Açoreano, p. 237, Angra do Heroísmo, Tip. Editora Andrade, 1935

AA/CMAH