Gaudêncio defende candidatura das Cavalhadas de São Pedro a Património Cultural Imaterial da Humanidade

O presidente da Câmara da Ribeira Grande manifestou a intenção de avançar com a candidatura das Cavalhadas de São Pedro a Património Cultural Imaterial da Humanidade, pretensão assumida aquando da inauguração da Casa das Cavalhadas, na freguesia da Ribeira Seca.

“As Cavalhadas de São Pedro merecem todo o nosso apoio e carinho. É por isso que não basta inaugurar este espaço. Queremos levar mais longe esta tradição e, por isso, anuncio que iremos preparar uma candidatura a Património Cultural Imaterial da Humanidade, um processo que será iniciado nas próximas semanas”, disse.

A inauguração da Casa das Cavalhadas é a concretização de um desejo antigo da freguesia e das suas gentes. “Para além de ser a concretização de uma intenção antiga, este novo espaço pretende ser um local de divulgação desta tradição secular e que é particular da Ribeira Grande”, acrescentou o autarca.

Com um investimento a rondar os 120 mil euros, a Câmara da Ribeira Grande garante o acesso à história das Cavalhadas de São Pedro a todos aqueles que queiram saber mais sobre as mesmas, assegurando também um importante legado às gerações mais jovens.

“Por isso, e não só, hoje é um dia histórico. Apesar de ser o segundo ano consecutivo sem o tradicional desfile, devido à pandemia, estamos a inaugurar um espaço que fará chegar a tradição a mais pessoas e, certamente, mais longe, na medida em que estará disponível a todos os que nos visitam”, enfatizou Alexandre Gaudêncio.

Na ocasião, o autarca também enalteceu o papel de Fernando Maré, “grande impulsionador desta tradição desde 1960, bem como todos aqueles que se têm dedicado para que as Cavalhadas de São Pedro sejam, hoje, reconhecidas por todos”.

A cerimónia contou com a presença dos vereadores da Câmara da Ribeira Grande, Carlos Anselmo, Filipe Jorge, Cátia Sousa e Eunice Sá, os membros da junta de freguesia da Ribeira Seca, presidida por João Dâmaso Moniz e alguns dos elementos das Cavalhadas de São Pedro, representados pela figura do rei, Rui Maré.

AA/CMRG