Grandes filmes e curtas lideram programação do festival Montanha

O programa de grandes filmes no Auditório da Madalena continua às sextas-feiras em janeiro, e ainda há programação de curtas e documentários no Auditório do Museu dos Baleeiros, nas Lajes do Pico, às terças-feiras. Com cenário em montanhas, ou temas da cultura montanhosa, a mostra de 14 filmes nas noites de cinema no Montanha Pico Festival inclui ficção, assim como histórias baseadas em eventos reais e ainda documentários.

Depois da estreia mundial na abertura do festival a 7 de janeiro, “A Vaguear pelo Oceano” com a presença do cineasta croata Toma Zidic no Auditório da Madalena, a maior tela do triângulo açoriano recebe a comédia “Mulher em Guerra” no dia 14. Vencedor do Prémio Lux, o filme conta a história de uma ecologista em Reiquiavique, que decide enfrentar a indústria do alumínio num ato de justiça solidária, em prol da defesa do ambiente e contra o aquecimento global. No dia 21, é a ante-estreia portuguesa de “Cordeiro”, o filme vencedor do Prémio de Originalidade, Un Certain Regard, Festival Internacional de Cinema de Cannes 2021. Esta é uma experiência cinematográfica cativante com uma história de família nas montanhas da Islândia. No dia 28, duas curtas e uma longa preenchem o programa com a estreia açoriana de “Espíritos e Rochas: um mito açoriano”, por Aylin Gokmen, e ainda “O Que Não Se Vê” por Paulo Abreu, com o documentário “I Am Greta”, por Nathan Grossman. 

O Auditório do Museu dos Baleeiros abre as portas a três sessões de curtas às terças-feiras. O programa do dia 11 de janeiro é dedicado a obras de Portugal para o mundo com “Histórias de Lobos” por Agnes Meng e “A Alma de um Ciclista” do açoriano Nuno Tavares. No dia 18, o festival apresenta uma noite em inglês com “The Farmer” de Michael James Brown, “Subtle Body” de Robin Bisio, e o filme que acabou de ganhar o Prémio de Melhor Filme no Festival Montanha de Torello,  “The Icefall Doctor” de Sean Burch. A 25 de janeiro o francês é a língua que lidera com o filme canadiano “Tempête Yukon” de Frederic Dion, e de cineastas franceses vamos ver “Home Lines” da Yucca Films e “Les nouveaux siffleurs d’Aas” de Richard Martin-Hordan. Montanha Pico Festival apresenta de 7 a 30 de janeiro uma programação por toda a ilha do Pico. Além do cinema há lançamentos de livros, workshops, exposições e ainda um evento musical no topo da montanha mais alta de Portugal. Neste primeiro fim de semana, a programação continua no sábado com duas visitas a Grutas e o projeto do saxofonista Luis Senra “Abaixo da Superfície”, com a poesia de Filipa Gomes. A tarde de domingo é na Casa da Montanha com o encontro para a expedição fotográfica anual do festival. 

Para participar nos eventos do Montanha Pico Festival, a audiência apresenta-se com máscara e tem que mostrar teste de rastreio à COVID-19, válido e negativo, assim seguindo as últimas regras da DGS para eventos culturais. 

AA/MA