Ilha de São Jorge ligada de Este a Oeste por duas Grandes Rotas

A Secretária Regional da Energia, Ambiente e Turismo adiantou que a ilha de São Jorge passa a estar ligada de Este a Oeste por duas Grandes Rotas, com uma extensão total de 101km, inseridas na Rede Regional de Percursos Pedestres.

Marta Guerreiro falava na inauguração desta segunda Grande Rota de São Jorge, que faz com que esta seja a primeira ilha a contar duas Grandes Rotas.

“Este é um trilho que percorre, sensivelmente, metade da ilha, num percurso linear que liga o extremo Oeste da ilha, em Rosais, à Fajã dos Cubres, na costa Norte, com uma extensão total de 52km”, frisou.

Segundo a governante, “este é um percurso que alterna entre o planalto da parte mais interior da ilha,” onde nasceram os cones vulcânicos que geraram a ilha, com as vertentes escarpadas e muito altas que se despenham em pequenas áreas aplanadas ao nível do mar, resultando nas paisagens emblemáticas das Fajãs de São Jorge.

Esta grande rota apresenta-se dividida em duas etapas, Fajã do Cubres – Santo Amaro e Santo Amaro – Rosais, de 30km e 22km respetivamente.

A Secretária Regional salientou que “estas duas Grandes Rotas poderão dar um forte contributo para o aumento da permanência dos turistas na ilha de São Jorge, permitindo valorizar as localidades por onde passam, nomeadamente, os pequenos negócios como as unidades de alojamento, cafés, restaurantes, supermercados e outros pequenos negócios familiares”.

Com a abertura desta Grande Rota em São Jorge, a Rede Regional de Percursos Pedestres passa a contar com 83 Pequenas Rotas e 6 Grandes Rotas, o que perfaz um total de 89 percursos pedestres na Região, com um total de 756 km.

Na ocasião, a titular da pasta do Turismo lembrou a criação do Plano de Rápida Intervenção de Socorro (PRIS), outro caso em que São Jorge “é um exemplo da aposta que se tem feito neste produto”, já com quase 90% da sua rede implementada.

Este é um projeto que está em implementação a nível regional e que passa pela colocação no terreno de postes numerados de 500 em 500 metros ao longo de toda a extensão dos percursos e pela posterior identificação dos possíveis caminhos que intersetam os trilhos e que permitem chegar às zonas de socorro.

AA/Gacs