Ilha Terceira é a sexta a acolher exposição SAUDADE por Martim Cymbron

“Saudade por Martim Cymbron”, um projeto da MiratecArts, fica patente na Biblioteca Pública e Arquivo Regional Luis da Silva Ribeiro, em Angra do Heroísmo, até 30 de abril de 2022. 

Depois de visitar o Jardim Saudade, repleto de variedades da planta florífera scabiosa, localizado na MiratecArts Galeria Costa na ilha do Pico, o artista micaelense ficou inspirado para participar neste projeto, assim construindo “Saudade por Martim Cymbron”, uma série de 10 obras. Pintado num fundo abstrato acrílico, a flor destaca-se num realismo trabalhado a óleo, tendo a preocupação do artista conjugar o fundo com o elemento principal em termos cromáticos. O artista propõe um olhar diferente à majestosa scabiosa em várias fases e variedades. 

“Saudade por Martim Cymbron” estreou em 2017, numa exposição inédita, no Ancoradouro, na Madalena do Pico, antes de seguir para a sala galeria no Museu do Pico. A Biblioteca Pública da Horta, na ilha do Faial, o Atelier de Kaasfabriek, na ilha de São Jorge, o Museu das Lajes das Flores, e o Museu da Graciosa também já acolheram a exposição. No fim de semana passado, a ilha Terceira foi a sexta a acolher a exposição, ficando patente na Biblioteca Pública e Arquivo Regional Luis da Silva Ribeiro até 30 de abril. 

“Agradeço a todos os presentes por se aventurarem aqui esta noite, e em especial à Biblioteca Pública que decidiu arrancar este ano de programa com a minha exposição, que tem o objetivo de chegar às 9 ilhas dos Açores” disse o artista Martim Cymbron na apresentação.

Terry Costa, diretor artístico da MiratecArts, adicionou que “um dos valores desta exposição em digressão é de educar o público sobre esta planta, scabiosa nitens, que é endémica dos Açores, mas tem irmãs por todo o mundo, nos oferecendo assim uma roda de cores, a qual pode ser visitada em pessoa no Jardim Saudade, na MiratecArts Galeria Costa, na ilha do Pico. A exposição faz com que o público siga para a internet pesquisar mais, e isso é importante, especialmente quando a própria planta parece estar a desaparecer das nossas ilhas, onde há poucas décadas era bem visível” 

Martim Cymbron estudou na Academia de Artes em Maasticht, na Holanda. As suas obras estão representadas em coleções privadas e em espaços públicos desde a Universidade dos Açores e a Presidência da República ao Parlamento Europeu. Já expôs o seu trabalho em Nova Iorque, Mónaco, Lisboa, várias ilhas dos Açores e venceu o Prémio World Photo Press Pintura 2010 e Menção Honrosa na XII Exposição da Academia de Marinha em 2018. É cofundador do projeto Arte Viva e colabora com a MiratecArts desde 2015. 

AA/MA