Inaugurada a exposição dos trabalhos apresentados ao Concurso para elaboração do projeto de intervenção no Mercado Municipal

Encontra-se inaugurada a exposição dos trabalhos apresentados ao Concurso para elaboração do projeto de intervenção no Mercado Municipal de Vila Franca do Campo, ficando patente na Galeria Dr. Augusto Simas, no Centro Cultural, durante o corrente mês.

A exposição resulta de uma parceria entre o Município e a Secção Regional dos Açores da Ordem dos Arquitetos, com o objetivo selecionar uma proposta para a intervenção no Mercado Municipal, sendo composta pelas 22 propostas apresentadas a concurso e tendo o júri do procedimento, idóneo, procedido à sua avaliação e ordenação com base em critérios de qualidade e considerado a dimensão inovadora da intervenção, a capacidade de integração e a adequabilidade da solução construtiva.

No momento da inauguração, o Presidente da Autarquia agradeceu à Secção Regional dos Açores da Ordem dos Arquitetos pela parceria “virtuosa, ao motivar a participação de 22 proponentes” e ao júri do procedimento pela disponibilidade e responsabilidade de apreciar e avaliar as muitas propostas a concurso.

Ricardo Rodrigues lembrou que as propostas foram avaliadas e só depois o júri teve conhecimento dos respetivos autores, trazendo transparência total ao processo e explicou que o objetivo é requalificar o Mercado Municipal do Concelho, mas também a sua ampliação, de modo a que contemple a presença de mais comerciantes, e maior oferta ao público daquilo que são os produtos regionais, desta feita, através da montagem de uma “feira” amovível no espaço exterior junto do Mercado, que funcionará aos fins-de-semana.

O Autarca observou, ainda, que a proposta vencedora foi aprovada em reunião da Câmara Municipal, por unanimidade.

O presidente do Conselho Diretivo da Secção Regional dos Açores da Ordem dos Arquitectos congratulou todos os participantes e a Autarquia pelas sinergias da parceria, esperando que a solução preferida pelo Júri represente uma escolha assertiva, que crie novas dinâmicas e vivências ao Mercado da Vila e envolvente, assim como, vá ao encontro das expetativas de todos os envolvidos e usufruidores deste espaço, ou seja, da população.

Para Nuno Costa, o concurso de ideias é um modelo com inegáveis vantagens na amplitude de respostas e de visões sobre um determinado problema, entre as quais o retorno do investimento, a oportunidade de fazer seleções com simplicidade, eficiência, flexibilidade e transparência, assim como, a seleção da equipa técnica mais adequada, perante as soluções apresentadas.

O arquiteto Luís Francisco Gomes Menezes, presidente do júri do procedimento, explicou que a solução vencedora, do atelier Beco da Bela Vista – Arquitetura Paisagista, Lda, “se destacou por ter tido uma especial sensibilidade na relação que o Mercado tem com o espaço envolvente, que se deseja requalificar, conseguindo através de uma linguagem intemporal dotar o equipamento das mais-valias procuradas. Esta capacidade altruística de intervir e melhorar a capacidade do Mercado foi muito valorizada”.

Sobre as soluções classificadas em 2º e 3º lugar, respetivamente do MESA Atelier e do Arq.º João Castelo Branco, referiu serem também muito interessantes, especialmente ao nível académico.

AA/CMVFC