Investimento em Rabo de Peixe tem de ser proporcional ao tamanho e desafios desta vila

Rabo de Peixe é uma vila “rejuvenescida e com alto potencial de crescimento” e através da nova solução governativa nos Açores o presidente da junta de freguesia, Jaime Vieira, acredita estarem “reunidas condições para se começar a construir uma história diferente, para melhor, nesta vila.”

Foi este o mote deixado por Jaime Vieira no discurso da sessão solene comemorativa do 18.º aniversário de Rabo de Peixe a vila, desafiando os governantes presentes a olharem e reconhecerem a importância da vila piscatória no panorama local e regional.

“Há que perceber que Rabo de Peixe é uma vila enorme dentro do contexto regional, uma vila com a população de ilhas e, como tal, o investimento nesta terra tem que ser proporcional ao tamanho e aos desafios da mesma. A nossa preocupação com o futuro é uma das nossas prioridades, onde de uma forma articulada e estratégica queremos caminhar rumo a uma vila melhor”, disse.

Jaime Vieira lembrou que “a vila de Rabo de Peixe representa 33% da população da Ribeira Grande e somos a única vila deste concelho”, mostrando-se convicto de que o presidente da câmara, Alexandre Gaudêncio “sabe da importância desta terra, como também sei que tudo fará para continuar a dotar esta vila dos meios necessários para melhorar a qualidade de vida de todos nós”.

Nesse sentido, adiantou, está em curso a realização de um plano estratégico para Rabo de Peixe que “será uma mais-valia”, na medida em que através desse documento “será possível realizar um diagnóstico prospetivo e definir as necessidades e intervenções nas diferentes áreas, como a habitação, turismo, economia, ação social, bem como questões urbanísticas.”

Dentro desse plano estratégico para Rabo de Peixe já entra a “construção de uma via alternativa à rua do Rosário, que se encontra em fase de projeto, bem como o início da segunda fase das obras no novo campo do Bom Jesus”, elencou Jaime Vieira.

O futuro passa também por uma vila mais amiga do ambiente e, nesse sentido, outra importante obra é a construção de uma ciclovia ao longo da avenida D. Paulo José Tavares. A requalificação da praia de Santana e da zona costeira, a construção de um campo de padel, um parque infantil na rua de Toronto ou a construção de um novo complexo habitacional nas Quintas do Mar são outras prioridades.

A criação de condições para que os jovens casais possam ter habitação própria é um desígnio de Jaime Vieira que vê no arrendamento com opção de compra uma alternativa viável. “A falta de habitação disponível para os jovens é um grande problema. Hoje, mais de 150 casais inscritos na junta de freguesia estão sem habitação própria e não conseguem ter respostas, uma vez que os seus rendimentos não permitem contrair empréstimo”, referiu.

Mas as juntas de freguesia têm outros desafios pela frente, como Jaime Vieira fez questão de realçar, principalmente no que diz respeito aos recursos humanos. “A junta de freguesia de Rabo de Peixe, bem como a maioria das juntas de freguesia dos Açores, está a enfrentar um desafio enorme que poderá colocar em causa o normal funcionamento das mesmas como as conhecemos. A alteração do regulamento para os programas ocupacionais, que é o caminho certo, vai trazer grandes constrangimentos ao dia a dia das juntas de freguesia, pois as mesmas deixarão de ter colaboradores, uma vez que são os inscritos nos programas ocupacionais que compõem as juntas de freguesia.”

O presidente esclareceu que as “juntas de freguesia não possuem quadro de pessoal, ou as quem têm, apenas possuem nos quadros um ou dois funcionários. Assim, é importante que se criem alternativas aos programas ocupacionais para dotar as juntas de freguesia de alguma capacidade para realizarem as tarefas diárias e o apoio diário às suas populações, uma vez que somos a primeira porta a que a população bate e muitas vezes somos os únicos que acodem aos seus problemas”.

Jaime Vieira deixou claro ser “imperativo criar respostas, quer pelo governo regional, quer pelas câmaras municipais, para dotar as juntas de freguesia de mais pessoal para desempenho das funções necessárias.” E deixou sugestões: “Este aumento de pessoal poderia ser feito ou através da contratação através de uma verba específica para este fim, ou a transferência de pessoal destas mesmas entidades para as juntas.”

O combate às drogas é outra prioridade. “O combate às drogas, especialmente as drogas sintéticas, têm que ser prioridade para todos nós, sendo um dos grandes problemas que assolam esta vila e que é transversal a todas as freguesias. Há que intervir rápido e, neste sentido, defendo que a informação e prevenção têm que ser uma aposta junto das escolas e associações que as crianças e jovens frequentam.”

No regresso à normalidade no pós-pandemia, o executivo da junta de freguesia de Rabo de Peixe optou por não individualizar as habituais homenagens, homenageando todo o povo de Rabo de Peixe.

AA/AM