Lançado concurso para a construção da Praça Central da frente mar da Horta

Foi apresentado, durante a inauguração das obras de requalificação da Praça do Infante, o concurso público para a “Requalificação Urbana da Frente Mar da Cidade da Horta – Unidade de Intervenção do Troço Central”.

Trata-se de uma obra, segundo o Presidente da Câmara Municipal da Horta, que vai “virar, ainda mais, a cidade para o mar e requalificar os espaços públicos existentes”.

Para José Leonardo Silva, “esta intervenção, para além de todos os benefícios que trará à cidade em termos económicos e turísticos, é ainda uma forma de honrar a nossa história e marcar o nosso tempo, permitindo modernizar a nossa cidade”.

A obra agora lançada a concurso está orçada em 2 milhões e 730 mil euros. Os trâmites legais ditam que as propostas devam ser entregues nos próximos 30 dias e que a obra tenha de ser executada num prazo máximo de 21 meses.

Conforme esclareceu o Presidente da Câmara, a obra agora lançada a concurso vai ser executada por troços, “porque a cidade tem de continuar a funcionar sem que seja posta em causa a segurança das pessoas ou a vida dos nossos comerciantes”.

A intervenção vai obrigar a um reordenamento do trânsito automóvel, nomeadamente no que a viaturas pesadas diz respeito, pelo que, para José Leonardo Silva, “é imperativo avançar-se com a segunda fase da Variante à cidade da Horta. Esta Câmara sempre defendeu a segunda fase da Variante. Defendeu com o anterior governo e vai reivindicar agora com este governo porque é algo que é urgente e necessário para o Faial. As coisas têm mesmo de ser feitas, não podem ficar no papel”.

No dia em que é conhecido o concurso público para a intervenção no troço central da Avenida 25 de abril, é dada por concluída a intervenção na Praça do Infante.

Para o autarca, “apesar do atraso verificado na conclusão dos trabalhos pelas vicissitudes já conhecidas, o mais importante é a relação conseguida entre esta Praça, a nossa baía e o nosso Porto”.

Por essa razão, acrescentou, a Praça do Infante torna-se o espaço ideal para a instalação da Casa da Baía, que resultará num espaço de visitação, acolhimento e divulgação da Horta, cidade-mar a instalar no novo edifício ali construído.

Da empreitada agora inaugurada faz ainda parte a intervenção no adro das Angústias, já concluído, e o parque de estacionamento da Rua de São João, que aguarda vistoria técnica para abrir ao público.

Entretanto, e conforme anunciado, a primeira fase da obra da Frente Mar da Cidade da Horta é um dos projetos nomeados para os Prémios Mies Van Der Rohe Award 2022, um conceituado Prémio de Arquitetura Contemporânea da União Europeia promovido pela Fundação Mies van der Rohe.

Trata-se do mais importante galardão da arquitetura europeia, lançado em 1987 pela Fundação Mies van der Rohe, entidade com sede em Barcelona, Espanha, e atribuído na primeira edição, no ano seguinte, ao arquiteto português Álvaro Siza Vieira, pelo edifício Borges & Irmão, em Vila do Conde.

AA/CMH