Lançado o livro “O Concelho de Vila Franca do Campo em 1566: espaços, agentes e recursos”

Decorreu recentemente o lançamento do livro “O Concelho de Vila Franca do Campo em 1566: espaços, agentes e recursos”, no Centro Cultural de Vila Franca do Campo.

Na ocasião, o Presidente da Câmara Municipal de Vila Franca do Campo disse ser “gratificante para a Autarquia poder colaborar com a Universidade Católica, no sentido de dar à estampa este livro”.

“Em Vila Franca do Campo temos uma história muito rica, que se alterou profundamente no seu destino deste o terramoto de 1522 e conhecer aquilo que foi a atividade económica e aquilo que era Vila Franca do Campo em 1566 é, naturalmente, um dado muito relevante para percebermos o contexto da história da época, o que só foi possível com a investigação levada a efeito pelo professor doutor Teodoro de Matos, que encontrou, em Londres, documentos muito importantes sobre Vila Franca do Campo, do século XVI, o que deu origem à obra que agora se apresenta”, frisou.

A apresentação do livro esteve a cargo do autor do prefácio, o Professor Doutor Avelino de Meneses, que referiu que, “neste códice, perscrutamos a evolução da primeira Vila e Capital de São Miguel, cuja jurisdição coincide com a dimensão da própria ilha, até 1499, data da conquista da dignidade municipal por Ponta Delgada”.

Este códice, acrescentou, expõe a realidade de Vila Franca do Campo na decorrência do terramoto de 1522, que obriga à deslocação do povoado e a analise do auto de avaliação dos bens dos moradores de Vila Franca do Campo de 1566 permite a caracterização da sociedade.

Avelino de Meneses considerou que a Câmara de Vila Franca do Campo “merece o reconhecimento dos seus munícipes e da própria comunidade científica pelo patrocínio desta edição, que vem enriquecer a historiografia e a ciência relativas aos Açores”, principiando bem a celebração do quinto centenário da maior calamidade da ilha, o Terramoto de 1522.

Para o autor da obra, o Professor Doutor Artur Teodoro de Matos, o códice que agora se apresenta “é importante em si mesmo, tivemos a preocupação de extrair dele o que de mais relevante se nos afigurou, mas outras perspetivas poderão ser dele retiradas”.

“A sua antiguidade e relevância ditaram a sua publicação integral, é um testemunho autêntico e eloquente da rapidez e esforço que os vilafranquenses fizeram para ultrapassar a catástrofe que os assolou”, observou.

Já o seu co-autor, o arquiteto Igor Espínola de França deixou palavras de agradecimento a Teodoro de Matos e à Autarquia de Vila Franca do Campo, por possibilitar o lançamento da obra.

A finalizar a sessão de lançamento, o Subsecretário Regional da Presidência do Governo Regional dos Açores, Dr. Pedro Faria e Castro, considerou que a obra será um grande contributo para um melhor conhecimento da nossa história por parte de todos os açorianos e, estando-se à beira da comemoração dos 600 anos do descobrimento dos Açores, disse esperar que este seja um incentivo para que outras investigações surjam e sejam publicadas para um melhor conhecimento da nossa história.

AA/CMVFC