Maioria dos utilizadores dos refeitórios escolares satisfeitos com as refeições, indica estudo

A Secretária Regional da Educação e dos Assuntos Culturais revelou que a maioria dos utilizadores dos refeitórios escolares “estão satisfeitos com o serviço prestado, em termos qualitativos, quantitativos e infraestruturais” das escolas da região.

O anúncio foi feito após a divulgação nas escolas dos resultados do relatório da avaliação da satisfação dos utilizadores do serviço de refeições escolares do ano letivo 2021/2022, divulgado no âmbito do Dia Mundial da Alimentação, celebrado a 16 de outubro.

Segundo a titular da pasta da Educação, foi elaborado um questionário, “em formato eletrónico e em formato papel, a preencher em contexto de sala de aula pelos utilizadores dos refeitórios escolares da região”.

“No total, participaram 4.086 utilizadores dos refeitórios em 88 estabelecimentos escolares, estando abrangidas todas as ilhas da região”, explicou Sofia Ribeiro.

De acordo com a governante, foram “feitos inquéritos diferentes, de acordo com a faixa etária dos utilizadores” tendo sido analisados fatores como “a variedade e a apresentação das refeições, a qualidade, o sabor e a temperatura dos alimentos, bem como o espaço de refeições e o tempo de espera”.

Analisando os resultados obtidos nas escolas com o 1.º ciclo, cerca de 75% dos alunos gostam da sopa, cerca de 92% gostam do prato principal e 94% gostam da sobremesa.

Relativamente aos pratos preferidos, as preparações com carne bovina moída, como hambúrgueres e almondegas, e com panados, como douradinhos e filetes, estão nas preferidas dos alunos destas escolas.

Nas escolas com o ensino básico e com o ensino secundário, a sobremesa é o prato preferido dos inquiridos, com 84,6% a gostarem do seu sabor. 70% dos alunos gostam da sopa e cerca de 80% a gostam do prato principal.

Cerca de 80% dos inquiridos estão satisfeitos com a temperatura e com a apresentação das refeições e 82% mostram-se satisfeitos com a variedade das refeições.

Quanto ao espaço, os alunos consideram adequado, limpo, com iluminação e temperatura adequada e tendo mobiliário em bom estado.

A Secretária Regional afirmou que o relatório pretendeu “aferir a adequabilidade no fornecimento do serviço de refeições”, uma vez que “a monitorização e controlo diário são ferramentas imprescindíveis para a sua consecução, assim como no processo de melhoria continua”.

“Aliado à gestão e ao controlo, a avaliação periódica ao serviço de refeições prestado nas escolas permitirá obter informação e perceção real do cenário alimentar nestes espaços, e adequar e reformular as estratégias e as recomendações sobre a oferta alimentar em contexto escolar”, salientou.

O trabalho agora divulgado deve servir, segundo a governante, “como medida de acompanhamento e de informação útil na promoção do combate ao desperdício alimentar e na elaboração de ementas e outros documentos orientadores”.

AA/GRA