Manuel São João apela ao setor das pescas para remar todo para o mesmo lado

O Secretário Regional do Mar e das Pescas apelou na quinta-feira aos representantes da fileira da pesca para que todo o setor se una em torno dos objetivos delineados para a sustentabilidade das pescas dos Açores.

“Como ficou demonstrado ao longo destes dias, e penso que existe um consenso alargado em torno desta matéria, pretende-se uma sustentabilidade não apenas ambiental, mas também social e económica. Nesse sentido, o desafio lançado aos representantes da fileira da pesca é o de remarmos todos para o mesmo lado”, salientou Manuel São João, no encerramento da Semana das Pescas 2022, que decorreu na cidade da Horta, ilha do Faial.

O Secretário Regional do Mar e das Pescas recordou a meta definida pela Estratégia de Biodiversidade da União Europeia, que pretende a implementação de Áreas Protegidas em 30% até 2030, para lançar o desafio: “o que se pretende, em parceria com os representantes da fileira da pesca, é a assunção de um compromisso firme perante o quadro que nos foi colocado. Não nos furtaremos às nossas responsabilidades, mas também não deixaremos que o setor seja um parceiro secundário em todo este processo”, referiu Manuel São João.

“O desafio que temos pela frente é enorme, mas confio que teremos a capacidade política de corresponder às exigências, atendendo a um novo quadro legislativo e aos considerandos que o mesmo encerra”, sublinhou.

A Semana das Pescas foi retomada este ano, um compromisso assumido pelo XIII Governo Regional dos Açores, após 17 anos de interregno.

“Assumimos o compromisso de reativar este certame e penso que hoje estamos em condições de dizer que o objetivo foi cumprido. Não apenas no que se refere ao decurso dos trabalhos, mas sobretudo pela qualidade das comunicações que tivemos durante estes dias e que, de certa forma, confirmam a aposta deste Governo Regional de alterar o paradigma do encontro, numa abordagem transversal dos temas que mais diretamente dizem respeito às pescas, em particular à nossa condição arquipelágica”, frisou.

“Disse-o na abertura do certame e permitam-me que o volte reforçar. Existem princípios que não devemos nem podemos abdicar e que não se podem dissociar: sustentabilidade, responsabilização e inovação”, disse Manuel São João, frisando que “a cooperação, o conhecimento, a qualificação, a inovação e a sustentabilidade terão de continuar, obrigatoriamente, a ser conceitos primordiais de uma política concertada, que promova, cada vez mais ganhos para os setores do mar e das pescas e com consequentes reflexos na economia regional”.

Segundo o Secretário Regional do Mar e das Pescas, “a definição das prioridades estratégicas de governação exige uma reflexão profunda e fundamentada sobre a forma de enfrentar os inúmeros constrangimentos e desafios, que se colocam ao setor das pescas na Região, sendo necessário alicerçar uma decisão política consciente, participativa e inclusiva”.

AA/GRA