Navio mercante “Felicity Ace” afunda fora da Zona Económica e Exclusiva Portuguesa

Durante o reboque, que se tinha iniciado no dia 24 de fevereiro, o navio “Felicity Ace” perdeu estabilidade tendo vindo a afundar-se a cerca 25 milhas náuticas, o equivalente a 46 quilómetros, fora do limite da Zona Económica e Exclusiva de Portugal, numa área cuja profundidade ronda os 3 mil metros.

No local registam-se alguns destroços e uma pequena mancha de resíduos oleosos, que está a ser dispersa pelos jatos de água dos rebocadores e que se encontra a ser monitorizada pela Direção de Combate à Poluição da Autoridade Marítima Nacional e pela Agência Europeia da Segurança Marítima (EMSA).

Está igualmente previsto um empenhamento de uma aeronave C-295 da Força Aérea portuguesa.

A Marinha continua a acompanhar a situação, nomeadamente através do Instituto Hidrográfico, que mantém a atualização dos cálculos da deriva da mancha atual.

Também o NRP Setúbal se deslocou a Ponta Delgada para reabastecer e regressará à área do afundamento a fim de continuar a monitorizar a situação. A bordo do navio seguem mergulhadores da Marinha e material de combate à poluição, nomeadamente barreiras oceânicas de proteção/contenção de poluição da Autoridade Marítima Nacional.

De forma preventiva, um dos rebocadores que se encontrava a efetuar o reboque está em trânsito para Ponta Delgada de forma embarcar um reforço de material de combate à poluição.

O navio mercante “Felicity Ace”, que navegava a 90 milhas náuticas (cerca de 170 km) a sudoeste da ilha do Faial, sofreu um incêndio a bordo no passado dia 16 de fevereiro. Os 22 tripulantes foram resgatados e transportados em segurança para o aeroporto da Horta.

AA/Marinha