Presidente da Câmara da Horta realça importância das autarquias locais

“Os Municípios e as Freguesias têm o dever e a obrigação de intervir no debate sobre a definição de políticas reguladoras de setores como a floricultura, horticultura, vitivinicultura, carne e leite, mesmo não sendo áreas específicas das competências legais das autarquias locais”, afirmou o Presidente da Câmara Municipal da Horta na sessão de apresentação dos Planos Estratégicos, promovida pela Secretaria Regional da Agricultura e do Desenvolvimento Rural.

Carlos Ferreira saudou o Governo Regional dos Açores pela elaboração dos documentos, que se revestem de extrema importância para os empresários e cidadãos açorianos que operam nesta atividade.

“Estes Planos Estratégicos são muito relevantes para o setor primário da economia regional, quer na sua vertente planificadora, quer ainda enquanto instrumentos reguladores da própria atividade”, considerou Carlos Ferreira.

O Presidente da Edilidade acredita ainda que a floricultura, a horticultura e a vitivinicultura são exemplos de áreas emergentes do setor primário e que constituem uma fatia importante da economia local, e consequente exportação.

“Neste capítulo, merece ainda especial atenção o papel dos transportes inter-ilhas e destas para o exterior da região, revelando-se de importância fundamental para a consolidação e crescimento desses setores”, disse.

Dada a importância da temática, o Município da Horta, no âmbito das Grandes Opções do Plano, prevê, em cooperação com o Governo Regional dos Açores e com as juntas de freguesia do concelho, reforçar o abastecimento de água à lavoura e pugnar pela permanente manutenção dos caminhos agrícolas.

De igual forma, Carlos Ferreira avançou que o Município pretende implementar as “Jornadas Agrícolas do Faial”, numa parceria com o Governo Regional e os agentes do setor, com o intuito de “incentivar a prática da agricultura, incluindo a biológica, apoiando as associações e produtores do setor, bem como promover o consumo de produtos locais com a valorização dos mesmos na gastronomia local através de ações de conhecimento e divulgação”, concluiu.

AA/CMH