Presidente da Câmara da Praia defende mais mecanismos para os Municípios intervirem em caminhos e abastecimento de água ao setor

O Presidente da Câmara Municipal da Praia da Vitória defendeu que, no âmbito do próximo quadro comunitário de apoio, os Municípios possam vir a dispor de meios financeiros para intervir ao nível da beneficiação de caminhos agrícolas e abastecimento de água às explorações.

Discursando na sessão de encerramento das XIII Jornadas Agrícolas da Praia da Vitória, este ano subordinadas à temática “Otimização de Recursos – Saúde, Sustentabilidade e Produção”, que se realizaram, durante o fim de semana, na Sociedade Filarmónica da Vila Nova, Tibério Dinis revelou que são cada vez mais os pedidos de apoio à Câmara Municipal nos domínios da agricultura, revelando que a dificuldade, por vezes, está “na falta de recursos”.

“Cada vez mais somos confrontados com pedidos dos produtores, das diversas fileiras, para abrir novos caminhos agrícolas, para alargar canadas de servidão, para reparar caminhos de penetração agrícola, cada vez mais temos pedidos para levar a rede de abastecimento de água às explorações. A Câmara Municipal da Praia da Vitória, em todos os domínios, procura fazer o melhor pelos seus concidadãos e, naturalmente, que o setor agrícola não foge a esta regra, antes pelo contrário, considerando a sua importância. Mas há algo que é fundamental que os Municípios passem a ter: os instrumentos financeiros necessários para intervir no setor”, defendeu.

Tibério Dinis entende, por isso, que seria essencial, no âmbito do quadro comunitário de apoio que está em preparação, que as Autarquias passem a poder candidatar projetos de investimento para fazer face às principais necessidades sentidas pelo setor.

“Acredito, na altura em que está em preparação o novo quadro comunitário de apoio, que seja possível, sem tirar verbas comunitárias ao setor agrícola, que as Autarquias possam ser dotadas de instrumentos financeiros comunitários para intervir nestes domínios. Basta que se decida que os fundos europeus que estão disponíveis para as autarquias possam ser utilizados para candidaturas de projetos ao nível da reabilitação de caminhos agrícolas e penetração da rede de água para as explorações”, explicou.

O edil não tem dúvidas de que “se os plafonds destinados às autarquias forem também canalizados para estes investimentos, passamos a dispor de mais meios para poder ajudar melhor o setor agrícola e colaborar melhor com o Governo Regional e outras entidades do setor”, ressalvando que, “pela importância social e económica do setor agrícola e do setor das pescas, por serem os setores que mais emprego geram na Região, é fundamental que também as autarquias possam intervir com meios e fundos comunitários nestas áreas”.

Quanto às Jornadas que ontem terminaram, Tibério Dinis afirmou que “mais do que os discursos, o essencial é a importância de colocarmos a agricultura na agenda pública, permitindo que as associações representativas tenham voz de defesa das suas fileiras produtivas e capacidade reivindicativa face aos setores responsáveis pelas tomadas de decisão”, agradecendo assim aos parceiros do Município na organização do evento que, há mais anos consecutivos, debate o setor da agricultura na Região: Associação Agrícola da Ilha Terceira, Associação de Jovens Agricultores Terceirenses, a Cooperativa Bioazórica, a FruterCoop, a Universidade dos Açores e o Governo Regional.

“Colocar a agricultura como prioridade da agenda pública e fazer com que a esperança de cada jovem agricultor seja cada vez maior é fundamental, pois dar esperança a um jovem que assume a lavoura do pai, possibilitando que ele o faça com a convicção e certeza de que terá uma vida melhor do que aquela que o pai teve é o garante do futuro de um dos principais setores de atividade económica da nossa Região”, afirmou.

Depois de, no ano passado, o evento ter sido cancelado por motivos relativos à situação epidemiológica e de confinamento vigentes, a Câmara Municipal da Praia da Vitória voltou a proporcionar a reunião dos principais parceiros do setor agropecuário, cumprindo todas as normas e recomendações de saúde pública, reduzindo o programa e possibilitando a transmissão em plataformas online dos trabalhos das Jornadas.

AA/CMPV