Presidente do Governo define Tarifa Açores como projeto estratégico da governação

O Presidente do Governo Regional dos Açores definiu a Tarifa Açores, que irá entrar em vigor a 1 de junho, como um “projeto estratégico da governação” e um potenciador do “mercado regional interno” e do conhecimento dos Açorianos de outras ilhas que não a de origem.

“A partir de 1 de junho o preço máximo que os passageiros residentes pagarão para irem e voltarem a qualquer uma das ilhas, independente da ilha de partida e chegada, é no máximo de 60 euros”, declarou hoje José Manuel Bolieiro.

O governante falava em Ponta Delgada, após o primeiro Conselho de Governo presencial tido no Palácio da Conceição.

A Tarifa Açores, vincou, representa um “objetivo estratégico da governação”, o de “criar um mercado regional interno” de pessoas e mercadorias e garantir que, com maior facilidade, os Açorianos possam conhecer as várias ilhas do Arquipélago, “pagando menos do que se pagaria” em viagens para o continente.

José Manuel Bolieiro declarou ainda que este projeto “está já em termos de impacto financeiro, assumido e acomodado na proposta de Orçamento” para este ano.

Para além disso, os 60 euros serão pagos pelos passageiros à partida, evitando burocracias posteriores.

A Tarifa Açores destinar-se-á a residentes e dirá respeito a viagens aéreas interilhas.

Também no Conselho de Governo foram aprovadas as orgânicas dos diferentes departamentos do Executivo.

“Foi nosso objetivo reduzir despesa de funcionamento destas orgânicas de cada um dos departamentos do Governo”, disse José Manuel Bolieiro, que anunciou uma poupança superior a 500 mil euros anuais, “mais de dois milhões de euros na legislatura”.

AA/GRA