Presidente do Governo elogia “tenacidade” dos trabalhadores da conserveira Santa Catarina

O Presidente do Governo Regional dos Açores elogiou o que diz ser a “tenacidade” dos trabalhadores e trabalhadoras da conserveira Santa Catarina, anunciando ainda que a consignação da fábrica acontecerá a 2 de agosto.

José Manuel Bolieiro falava na fábrica da conserveira, na Calheta, em São Jorge, naquele que foi o último ponto do terceiro dia de visita estatutária do Governo dos Açores à ilha.

“A resposta” do Governo perante a herança financeira da empresa “foi estar ao lado dos trabalhadores, para manter os empregos e a marca”.

“Não estamos indiferentes à vossa vida, estamos solidários com o vosso futuro”, observou, dirigindo-se a cerca de uma centena de trabalhadores presentes na fábrica.

Em maio, e na sequência da decisão de adjudicação da exploração da fábrica de Santa Catarina ao agrupamento constituído por Rogério Veiros e Freitasmar – Produtos Alimentares, S.A., foi assinado o contrato de exploração da fábrica de Santa Catarina entre a Lotaçor, S.A., a sua subsidiária Santa Catarina, S.A. e a SCA – Sociedade Conserveira Açoriana, LDA – empresa constituída pelo agrupamento vencedor para a exploração da atividade fabril.

A execução do contrato pressupõe o pagamento de um montante não inferior a sete milhões de euros repartidos por 10 rendas anuais e opção de compra, que poderá ser superior em função dos resultados de exploração obtidos.

O contrato assinado prevê ainda a realização de investimentos na modernização da fábrica e permite corrigir a desvantagem competitiva decorrente do facto de a exploração pública da Santa Catarina ter inviabilizado, durante todos estes anos, o seu acesso aos fundos comunitários destinados ao investimento.

A solução agora implementada abre também o caminho para o saneamento financeiro da  Lotaçor, reconhecendo e assumindo de forma transparente as perdas acumuladas com a exploração pública deficitária da fábrica, cuja permanência nas contas da sociedade-mãe condicionou o seu equilíbrio económico-financeiro e implicou recurso ao sobre-endividamento.

AA/GRA