PS acusa PSD de demagogia partidária na Câmara de Lagoa

O PS Lagoa adianta em comunicado que foi com grande estranheza que tomou conhecimento do comunicado público, emitido pelo PSD, sobre os custos da vereação socialista na Lagoa, até porque, este foi um assunto devidamente explicado e justificado pela Presidente de Câmara na reunião, realizada dia 15 de outubro. Confuso é o PSD dizer que, até compreende as razões, depois votar contra e fazer comunicados. Ou compreende, ou não compreende e, neste caso, depreende-se que não compreendeu.

Face a igual período do anterior mandato, a Câmara Municipal de Lagoa tem agora o equivalente a mais meio vereador a tempo inteiro, o que não representa os custos mencionados pela nota do PSD Lagoa.

Conforme mencionado pela Presidente da Câmara Municipal de Lagoa, um mandato de 4 anos é sempre dinâmico e, até o futuro pode vir a alterar o atual cenário, mas, no imediato, é bem necessário o trabalho da equipa de vereação, para refletir, aperfeiçoar e inovar nas respostas em todas as áreas de atuação do Município. É por isso que a equipa de Cristina Calisto foi escolhida, também atendendo ao perfil técnico de cada um dos vereadores, que são pessoas necessárias e de extrema importância para a concretização das propostas deste executivo. Cada qual complementará o atual quadro de trabalhadores municipais, composto apenas por duas chefias de divisão e que, face aos desafios da atualidade requerem uma especialização cada vez maior em determinadas matérias. Isto, sem mencionar que, em breve, se contará com dois grandes envelopes financeiros da Europa, o PRR e o novo Quadro Plurianual de Investimentos da U.E, que requerem capacidade, agilidade e competência para poder encontrar os melhores projetos para o concelho de Lagoa.

Aquando da reunião, a Presidente da Câmara Municipal de Lagoa frisou ainda que, não podemos comparar o incomparável, elencando que as Câmaras enunciadas no comunicado do PSD têm realidades e dimensões distintas da Câmara da Lagoa, sobretudo, no que diz respeito ao número de funcionários e chefias, que são sobejamente superiores às da Câmara da Lagoa, pelo que, qualquer insinuação sobre este assunto é pura demagogia com intenção partidária.

Para além disso, esta composição de Vereadores é permitida, de acordo com o n.º 2, do artigo 58, da Lei n.º 169/99, de 18 de setembro, na sua atual redação, que diz que compete à Câmara Municipal, sob proposta da sua presidente fixar o n.º de vereadores em regime de tempo inteiro, a qual deve ser respeitada pela oposição, uma vez que é uma decisão da presidente, face ao trabalho a realizar e que em nada compromete o orçamento do município.

Relativamente ao novo arruamento da freguesia de Santa Cruz, importa referir que esta é uma obra, cujo projeto e concurso público, foi aprovado por unanimidade, inclusive pela oposição, em reunião de Câmara, realizada a 16 de junho de 2021.

Neste sentido, suspender imediatamente as obras em curso, tal como proposto pela atual oposição, sem uma clara justificação e sem enquadramento financeiro e legal das suas consequências, torna-se irresponsável, pois, para além da mesma não comprometer o valor patrimonial envolvente, conforme insinuado, convém referir que a obra se encontra em execução, prevendo-se a sua conclusão em março de 2022, pelo que, nesse caso o superior interesse dos lagoenses deverá estar acima de qualquer interesse partidário.

AA/PS-L