“Queijo de São Jorge é o bilhete de identidade da ilha”, destaca António Ventura

O Secretário Regional da Agricultura e do Desenvolvimento Rural destacou nas Velas, em São Jorge, que o Queijo de São Jorge é “o bilhete de identidade da ilha” pela “sua história e pelo seu percurso” de trabalho e colaboração de muitas pessoas e de muitos jorgenses.   

António Ventura falava durante o “painel de abertura” das “Jornadas Queijo de São Jorge” que marcaram o arranque das comemorações dos 30 anos da Confraria do Queijo daquela ilha.  

Estas jornadas são “um espaço de debate para criar sinergias”, para agitar “o que está mal” e para “criar novo pensamento”, sendo fundamental para o desenvolvimento da Agricultura na Região Autónoma dos Açores, sustenta.

O Secretário Regional defendeu que “o Queijo de São Jorge é um produto que deve ter planeamento e orientação política”, porque a “agricultura continua a ser a atividade mais importante” na Região para “desenvolver outras atividades económicas”.

“A lei regional de desenvolvimento rural foi criada em 2008 e que altera a lei de orientação agrícola” está “desajustada dos dias atuais”, referiu António Ventura, salientando que esta “está desajustada de quem produz, de quem transforma, porque esta atividade basilar está comprovada a cada dia que passa de que é um alicerce da nossa economia” e tem “de estar em letra de lei” de forma atualizada.

“Todos falamos em sustentabilidade, por causa do bem-estar animal, por causa das alterações climáticas, por causa da neutralidade carbónica, por causa da biodiversidade, por causa dos solos, mas não podemos deixar de concretizar e afirmar que essa mesma sustentabilidade tem de estar lado a lado com a competitividade”, defendeu ainda.

E concretizou: “O artigo 349 da lei das Regiões Ultraperiféricas não está devidamente utilizado em termos jurídicos, em termos técnicos e em termos institucionais, portanto, cabe a este Governo a responsabilidade de atuar junto da União Europeia e junto do Conselho de Ministros para que este artigo tenha uma abrangência maior sobre os nossos territórios ultraperiféricos”.

AA/GRA