Rádio Clube de Angra celebra 75 anos de existência

O Rádio Clube de Angra celebra, no próximo domingo, dia 3 de abril de 2022, o seu 75.º aniversário, promovendo uma sessão comemorativa da efeméride, pelas 19h00, no auditório da sua sede social, na Av. Ten. Cor. José Agostinho, em Angra do Heroísmo.

A sessão comemorativa será presidida pelo Presidente do Governo Regional dos Açores, José Manuel Bolieiro, convidado pela Direção da instituição, assim como os dois Presidentes das Câmaras Municipais de Angra do Heroísmo e Praia da Vitória.

Assim, do programa comemorativo, a iniciar-se pelas 19h00 e com transmissão em direto na rádio e nas redes sociais em vídeo, através de uma parceria com a produtora Azor + Produções, destaque para as intervenções do Presidente da Assembleia Geral do Rádio Clube de Angra (RCA), Jorge Silva, do Presidente da Direção, Pedro Ferreira, da Presidente da Câmara Municipal da Praia da Vitória, Vânia Ferreira, do Presidente da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo, Álamo Meneses, e do Senhor Presidente do Governo Regional.

Seguem-se momentos de homenagem aos seis antigos Presidentes do RCA ainda vivos e às seis empresas que há mais anos são clientes da “Voz da Terceira”, bem como um momento musical da responsabilidade do cantautor açoriano Cristóvam (neto de um dos fundadores do RCA, Fausto Cristóvam).

Após a sessão seguir-se-á um momento de confraternização entre convidados, associados e órgãos sociais.

Fundado a 3 de abril de 1947 por Belmiro Rocha, Jaime Kilberg Lima, Pedro Sodré e Areia, Cristóvam de Ornelas, Fernando Cristóvam, Fausto Cristóvam, José Cordeiro, António Deodato Ferreira, António Garcia da Rosa, Júlio Moniz Garrão, Jaime Ferreira de Simas e Alberto Ferreira Júnior, o Rádio Clube de Angra assinala 75 anos de vida recordando o papel que sempre desempenhou desde a erupção do Vulcão dos Capelinhos (a sua primeira grande reportagem), passando pela crise sísmica de São Jorge e Pico, na década de 60, à transmissão integral da revolução do 25 de abril de 1974 (considerando ter sido a única rádio que não foi tomada pelas forças armadas), o papel verdadeiramente extraordinário de proteção civil, apoio social e aproximação entre entes queridos que sofreram a perda de bens e de vidas, no sismo de 1 de janeiro de 1980, passando pela cobertura informativa da visita de João Paulo II aos Açores, do voo inaugural da TAP para as Lajes, da Cimeira Nixon/Pompidou, entre muitos outros eventos e momentos que foram falados nas ondas hertzianas de “A Voz da Terceira”, epíteto atribuído ao histórico locutor João D’Ávila, em crónica escrita na imprensa regional pelo Tenente-Coronel José Agostinho, e que acabou por se tornar no slogan da estação emissora. Da história da segunda mais antiga rádio privada dos Açores destaque ainda para o pioneirismo na transmissão de relatos de jogos de futebol (iniciados no final dos anos 60 do seculo passado), bem como para a celebração da eucaristia dominical, em direto da Sé de Angra, desde a década de 50 do século XX (fazendo com que o circuito da PT mais antigo nos Açores seja o que, ainda hoje, liga a Igreja da Sé aos estúdios do RCA.

Liderada há seis anos pelo jornalista Pedro Ferreira, que acaba de ser eleito para um terceiro mandato à frente dos destinos da instituição, o RCA conta, atualmente, com 4 funcionários e várias dezenas de colaboradores voluntários, tendo emissão própria 24 horas por dia.

AA/RCA