Reabertura do Coliseu Micaelense aconteceu há 17 anos

Foi há 17 anos que a Câmara Municipal de Ponta Delgada procedeu à reabertura do Coliseu Micaelense.

A maior casa de espetáculos dos Açores foi inaugurada no dia 10 de Maio de 1917, em Ponta Delgada, por iniciativa de um grupo de micaelenses, presidido por José Maria Raposo do Amaral.

Chamava-se então Coliseu Avenida e teve em Pedro de Lima Araújo um dos seus mais persistentes dinamizadores.

Em 1950 foi adquirida pela Companhia de Navegação Carregadores Açorianos, dirigida por Francisco Luís Tavares, que acabara de construir o novo teatro de Ponta Delgada.

Foi nesta altura que passou a designar-se Coliseu Micaelense, integrando depois a “Cinaçor” da Fundação dos Botelhos de Nossa Senhora da Vida, sendo gerido por António dos Santos Figueira durante cerca de quatro décadas.

A partir dos anos 80 do século XX foi sendo progressivamente desativado, mantendo apenas os tradicionais Bailes de Carnaval, até ficar encerrado por avançada degradação das suas instalações.

Em 2002, a Câmara Municipal de Ponta Delgada adquiriu o Coliseu Micaelense e promoveu a maior obra de recuperação da sua história de nove décadas, que decorreu essencialmente durante 2004.

A Gala de Reabertura do Coliseu Micaelense, realizada a 30 de Janeiro de 2005, assinalou a inauguração oficial desta obra, a que se seguiram a recuperação dos seus tradicionais Grandes Bailes de Carnaval e a apresentação do primeiro espetáculo da programação inaugural, com o Moscow Classical Ballet.

O Coliseu Micaelense tem capacidade para cerca de 1.300 espetadores sentados e está preparado para corresponder às exigências próprias de todos os eventos socioculturais, podendo funcionar em regime convencional, para espetáculos tão diversos como bailado, teatro, ópera e rock, ou em sistema de pista aberta, para circo, bailes e moda, banquetes e café-concerto, exposições e congressos.

A sua dimensão e as suas características fazem, aliás, do Coliseu Micaelense o espaço coberto melhor adequado para os maiores eventos dos Açores.

AA/CMPD