Requalificação da Calheta Pêro de Teive “tem de passar pela sua devolução à população”

A Presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada visitou a obra inacabada das galerias da Calheta Pêro de Teive, cujos trabalhos de demolição por ordem da autarquia arrancaram na segunda-feira, e reafirmou que “é ponto de honra para a Câmara Municipal que aquele lugar de interesse histórico seja dignificado e devolvido à população de Ponta Delgada”.

“A Câmara Municipal fez a sua parte, com sentido de missão cumprida a bem da cidade e de quem cá vive. A demolição desta obra inacabada é o primeiro passo para a requalificação inadiável desta zona. Uma vez concluída, cabe ao promotor da obra e ao Governo Regional, que tem obrigações de execução e de fiscalização no âmbito da concessão feita à Asta, consensualizar uma utilização para este espaço no pressuposto de o devolver à população e à cidade”, afirmou.

Maria José Lemos Duarte esteve acompanhada pelo executivo autárquico, pelo Presidente da Junta de Freguesia de São Pedro e por membros do Movimento “Queremos a Calheta de Volta”. No final da visita às galerias, guiada por administradores da Asta e da construtora, a autarca sublinhou a sua “satisfação institucional e pessoal por ver honrado um compromisso que assumi com os munícipes”.

“A demolição desta obra inacabada e a resolução de um problema que se arrastou tempo demais era uma das minhas bandeiras para este mandato. Cumprimos o nosso dever. Devo o reconhecimento e o agradecimento ao executivo que me acompanhou nesta prioridade e aos colaboradores da Câmara Municipal que trabalharam para a sua prossecução e continuarão a trabalhar na fiscalização do cumprimento das obrigações em causa”, reforçou a Presidente da Câmara Municipal.

Conforme deliberado pela Câmara Municipal de Ponta Delgada, em sessão ordinária de 13 de janeiro, a Asta tem 120 dias, contados do seu início, para concluir a demolição.

AA/CMPD