Resultados dos exames nos Açores “acompanham tendência nacional”, indica Secretária da Educação

Já são conhecidos os resultados da primeira fase dos exames nacionais de 2021. A Região acompanha a tendência nacional das classificações obtidas nestas provas.

A Secretária Regional da Educação esclarece que “os exames deste ano, da responsabilidade direta do Ministério da Educação, foram, regra geral, mais complexos, quer a nível da dificuldade das perguntas, quer da estrutura das provas, de que resultou uma descida de um valor na média nacional, e também na regional, face ao ano passado”.

A governante salienta que, “nas disciplinas com maiores índices de participação em exame, os resultados na Região ainda se aproximam mais aos nacionais”.

“Em Português A, a média na Região foi 11,8, enquanto o país registou 12 valores; em Biologia e Geologia a média nos Açores foi 11,1 e a nacional foi 12 valores; em Matemática A, a nossa média foi 10,2 e a do país, 10.6; por último, em Física e Química A, a média da Região foi 9,5, e a nacional foi 9.8 valores”, sublinha.

De acordo com a titular da pasta da Educação, “não se pode inferir efeitos diretos da pandemia nos resultados dos exames”.

E justifica: “Em várias situações, as escolas de São Miguel, que foram as que estiveram mais tempo em ensino à distância, destacaram-se como as escolas com melhores resultados da Região, como é o caso da Escola Secundária Domingos Rebelo em Física e Química A, da Escola Secundária Antero de Quental em Matemática A e da Escola Secundária da Ribeira Grande em Geometria Descritiva”.

“Destacam-se ainda avaliações de excelência, tendo sido registadas as notas máximas de 20 valores a Matemática A e a Geometria Descritiva na Escola Secundária Antero de Quental e a Alemão na Escola Secundária Domingos Rebelo; 19,9 a Física e Química na Escola Secundária Jerónimo Emiliano de Andrade; 19,8 a Português A na Escola Secundária Domingos Rebelo e de 19,7 a Filosofia na Escola Básica e Secundária da Graciosa”, realça também Sofia Ribeiro.

“Estes resultados mostram a resiliência dos professores e especialmente dos alunos, após dois anos escolares sujeitos a constrangimentos decorrentes da pandemia”, destaca a governante.

Recorde-se que todas as escolas da Região estiveram encerradas todo o terceiro período do ano passado e que, neste ano escolar, as escolas da ilha de São Miguel estiveram várias semanas em ensino à distância, o que praticamente não se registou nas restantes ilhas do arquipélago.

Sofia Ribeiro refere ainda que a Secretaria Regional se encontra a preparar o arranque do próximo ano letivo, destacando “a dinamização do plano de recuperação das aprendizagens regional, que contempla medidas específicas por escola, e que será posto em prática com o reforço das respostas docentes, resultantes de um aumento do número de vagas lançadas a concurso para 2021/2022”.

AA/GRA