“Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara”, de João Amado, no Arquipélago

A Secretaria Regional da Cultura, da Ciência e Transição Digital, através da Direção Regional da Cultura (DRC), por via do Arquipélago – Centro de Artes Contemporâneas (ACAC), promove, no dia 23 de outubro, pelas 16h00, a inauguração da exposição “Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara”, de autoria de João Amado.

Patente ao público até 16 de janeiro de 2022, no ACAC, localizado na Ribeira Grande, a mostra reúne um vasto conjunto de colagens divididas em duas séries, uma sobre madeira e outra sobre papel.

Segundo o diretor do Arquipélago, João Mourão, “são composições que, num primeiro olhar, nos parecem surrealistas e, nesse sentido, temporalmente desfasadas”.

“Mas se realmente as observarmos, são verdadeiras construções de um pensamento do agora, produções que partem da ecologia, da animalidade, da partilha e do equilíbrio entre todos os seres vivos”, sinaliza o responsável.

“Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara” visa provocar uma aproximação e um laço de intimidade entre as peças e o observador, constituindo também um convite a um olhar mais atento e um apelo à reflexão sobre a coabitação e a interação entre as pessoas e o mundo natural, tendo por base o avanço incontestável de uma crise ambiental.

João Amado, natural de São Miguel, autodidata no universo da arte, é um artista plástico que recorre à técnica da colagem tradicional para compor o seu trabalho. Aborda temas em torno do espírito e da relação do homem com o mundo, e nos retornos ao mais natural/primitivo. Já marcou presença em dois festivais internacionais de colagem: “Paste Up” (Cidade do México) e “Collagistas” (Bruxelas), e esteve presente na exposição inaugural do espaço VAGA em Ponta Delgada.

AA/GRA