Situação da SATA tem a solidariedade e empenhamento do Governo Regional

Segundo o Presidente do Governo Regional, o Grupo SATA tem “a solidariedade e o empenhamento do Governo Regional” para a salvaguarda da sua situação.

“Nós somos solidários com os trabalhadores e não queremos fazer deles um bode expiatório. Tudo faremos para salvar a empresa, no quadro do cumprimento das exigências e regulamentos comunitários”, afirmou.

José Manuel Bolieiro, que falava em declarações à margem de uma audiência com a UGT-Açores, destacou que “o reconhecimento da posição estratégica da SATA é inequívoco e indeclinável”.

Segundo o Presidente do Governo, o executivo açoriano tudo fará, dentro do quadro da reestruturação da empresa, para “salvaguardar a manutenção da atividade e dos empregos”, garantindo um “acompanhamento solidário dos destinos dos trabalhadores e da atividade economia do Grupo SATA”, com o total empenho dos secretários que tutelam este setor.

Para o chefe do executivo, uma auditoria à empresa é já “uma inevitabilidade”. “A própria administração terá de, obviamente, prestar contas e exigir uma autonomia de responsabilização”, sublinhou.

Depois de ter recebido em audiência Francisco Pimentel, da UGT-Açores, o Presidente do Governo adiantou ainda que este parceiro social “tem-se mostrado disponível, com certeza, para o diálogo, com um caderno reivindicativo, mas também com propostas concretas”, sendo que o Governo encontra neste contributo da UGT “um parceiro decisivo.”

“O meu compromisso reiterado é o de mantermos esta agenda de proximidade com os parceiros sociais, no diálogo e na concertação social”, frisou.

“Os compromissos que foram assumidos no Programa do Governo vão ser concretizados ao logo do mandato e na preparação dos planos de investimento e orçamentos”, reiterou o Presidente do Governo.

Segundo disse, na reestruturação do Setor Público Empresarial Regional (SPER), “propomos uma atitude que seja de assegurar independência e autonomia na gestão profissionalizada do SPER sem intromissão do Governo da Região Autónoma dos Açores.”

De acordo com o Presidente do Governo, o executivo, enquanto acionista, “determinará as Obrigações de Serviço Público, assegurará absoluto escrutínio relativamente ao cumprimento destas obrigações, comprometendo-se quanto à subvenção pública para com as empresas deste setor, mas sempre disponível para o exercício de prestação de contas.”

AA/Gacs